quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Sialorreia (ou baba excessiva) na criança com deficiência. Como tratar?

sialorreia (aumento do fluxo salivar que ultrapassa a margem da boca) é muito comum em crianças com paralisia cerebral, e em média, atinge em algum grau, 1 de cada 3 pacientes.

A baba é normal quando acontece até os 2 anos de idade e eventualmente até os 4 anos, principalmente quando os dentes estão nascendo. Após os 4 anos o problema deve ser investigado e tratado.

As principais causas são a incoordenação motora oral e a redução da sensibilidade intraoral. Porém, outros fatores também estão associados ao problema: 
  • Pouco controle cervical e de tronco;
  • Disfagia;
  • Má oclusão dentária;
  • Alteração do processo mastigatório;
  • Redução do vedamento labial;
  • Uso de algumas medicações.
O tratamento deve envolver Fonoaudiólogo e Fisioterapeuta, que juntos farão um planejamento terapêutico para melhora de controle cervical e de tronco, bem como os estímulos motores orofaciais.

Alguns dos tratamentos mais indicados são:
  • Uso regular de bandagem (Kinesio Taping);
  • Eletroestimulação aplicada à disfagia;
  • Aplicação de Toxina Botulínica;
  • Medicações específicas;
  • Adesivo que diminui a salivação.
Quando não tratada adequadamente, a sialorreia pode prejudicar a respiração, favorecendo o risco de aspiração, dificultar a alimentação, impactar a vida social e as demais atividades de vida diária.

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

Hipotonia - Diagnóstico e Tratamento

hipotonia é a nomenclatura que descreve a diminuição do tônus muscular.

Embora a fraqueza muscular possa estar associada à hipotonia, não podemos confundi-la com a hipotonia, pois são assuntos distintos.

Geralmente, são sinais de hipotonia:

  • Pouco ou nenhum controle muscular;
  • Braços e pernas estão sempre relaxados;
  • Dificuldade de sugar e deglutir;
  • Choro fraco ou silencioso.

Uma criança com hipotonia geralmente leva mais tempo para atingir os marcos de desenvolvimento motor, como arrastar, sentar, andar, falar e se alimentar.

O que causa hipotonia?

A hipotonia é um sintoma e não uma condição e pode estar associada à problemas genéticos, à prematuridade, à Paralisia Cerebral, à Síndrome de Down, a doenças degenerativas e a infecções graves, como a Meningite, por exemplo. Também há casos de hipotonia de causa desconhecida.

Em alguns casos, os bebês nascidos prematuramente têm hipotonia porque seu tônus muscular não está totalmente desenvolvido no momento em que eles nasceram. No entanto, desde que o bebê não tenha outros problemas associados, a hipotonia pode melhorar gradualmente com acompanhamento de Fisioterapeuta, Terapeuta Ocupacional e Fonoaudiólogo.

Tratamento

O tratamento envolve o acompanhamento de Pediatra, Geneticista, Neurologista, Ortopedista, Fisioterapeuta, Terapeuta Ocupacional e Fonoaudiólogo.

Quanto antes a criança iniciar o tratamento, melhor.

Durante as terapias, trabalhamos para melhorar a força muscular, a resistência física, a postura e a coordenação motora para compensar o baixo tônus muscular.

É muito importante fortalecer a musculatura em torno das articulações dos braços e das pernas para proporcionar mais suporte e estabilidade.

A plataforma vibratória é um recurso que ajuda muito no fortalecimento muscular. Outros recursos também podem ser utilizados, como andadores, parapodium, esteira, parede de escalada terapêutica, e etc.

A deglutição e a respiração também devem ser trabalhados nas terapias.




sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Diário do sono: uma dica para ajudar a identificar problemas para dormir

É muito comum que crianças com deficiência apresentam problemas para ter uma boa noite de sono, já abordamos o assunto algumas vezes na página. 

A criança que não fala ou tem dificuldade para se expressar pode não reportar adequadamente quais são os incômodos. 

O Diário do Sono é uma dica que pode ajudar muito a identificar as causas do problema e a encontrar algumas soluções.

Durante um mês, anote tudo que está relacionado ao sono de seu filho:

• Frequência e tempo dos cochilos durante o dia;

• Quanto tempo demora para adormecer;

• Tudo o que ele comeu e bebeu antes de dormir;

• Como foi a preparação para o sono;

• Anote se a criança assistiu à TV ou viu desenhos em tablets ou celulares, por quanto tempo e o horário que parou de assistir à TV antes de dormir;

• Grave qualquer comportamento que se repete ou que você julga importante;

• Como foi a rotina de escola e terapias durante o dia;

• Anote qualquer acontecimento que julga importante no dia da criança, além dos acima mencionados;

• Anote o uso de medicações.

Quando terminar o diário converse com o Neurologista, o Pediatra e a equipe de Terapeutas. Com base nas informações levantadas será mais fácil identificar algumas possibilidades, solicitar os exames e encontrar soluções.



terça-feira, 28 de novembro de 2017

Therasuit na Mielomeningocele: nossa participação no programa "De bem com a vida"

[Therasuit na Mielomeningocele]: aqui vai o vídeo com nossa entrevista para o programa "De bem com a vida"! 
Nossa Fisioterapeuta Janice Jishú Ortiz participou do programa junto com a mamãe da Maitê, Renata Lougon. 
É muito importante falarmos sobre as opções de tratamento para a Mielomeningocele! 
Nós amamos o convite! Confira:

Therasuit na Mielomeningocele

Paralisia cerebral: 5 dicas para brincar com seu filho em casa

O brincar é importante e traz muitos benefícios para todas as crianças, porém, crianças com paralisia cerebral ou algum comprometimento motor podem ter dificuldades para manusear brinquedos e fazer algumas atividades. Preparamos algumas dicas para que você faça com seu filho em casa, sem compromisso e sem objetivos terapêuticos!
O Terapeuta Ocupacional é o profissional que pode sugerir mais brincadeiras e, se necessário, adaptar brinquedos e atividades.
1- Coloque um colchonete grande no chão, deixe seu filho à vontade para virar, arrastar ou engatinhar. Ele vai sentir todas as possibilidades de movimentação, vai sentir melhor seu próprio corpo e as oportunidades de deslocamento.
2- Faça culinária com seu filho. Separe os alimentos com ele, explique para que serve cada um, coloque em uma cartolina a receita e o nome dos alimentos em letras grandes. Faça o passo-a-passo com ele mostrando a sequência da receita e em que fase vocês se encontram. Use um relógio para mostrar o tempo de preparo.
3- Coloque cola na palma da mão de seu filho, espere secar e retire. É um estímulo sensorial bem gostoso! Cuidado para ele não levar as mãos à boca!
4- Faça pulseiras e tornozeleiras com objetos que façam barulho, por exemplo guizos, assim, todas as vezes que a criança movimentar os braços ou as pernas, ouvirá sons.
5- Separe os brinquedos por cores e ajude seu filho a colocar cada cor em um balde diferente. Cole o nome da cor em letras grandes em cada balde para ajudar na identificação.
GRHAU Therasuit
Rua Humberto I, 236 - 2º andar - Vila Mariana / SP
(11) 5579-7909

Qual o melhor método de reabilitação infantil?

O melhor método é aplicado pelo terapeuta que tem diversas formações, experiências e cursos complementares - uma base que permite a ele avaliar adequadamente cada criança e aplicar os métodos mais indicados para cada caso, para cada necessidade.
É importante enxergar a criança como um todo e não apenas trabalhar funções ou habilidades isoladas.
Durante a fisioterapia motora, por exemplo, é possível interagir com a criança usando recursos de comunicação e estimular outros sentidos.
Nosso objetivo é explorar todo o potencial de desenvolvimento da criança, integrando terapias e métodos.
GRHAU Therasuit
Rua Humberto I, 236 - 2º andar - Vila Mariana / SP
(11) 5579-7909

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...